Você já teve aqueles estalos? Já teve uma ideia que achou incrível? Talvez criar um produto que resolva um problema, facilite a sua rotina ou a de alguém com quem convive? E parou por aí ou já parou pra pensar em quais seriam as etapas do desenvolvimento dessa ideia e como poderia lançá-la no mercado?

Umas das minhas melhores decisões de 2020 foi voltar a estudar. Desde outubro, estou cursando Pós-graduação em Marketing e Mídias Digitais na FGV.

Esse fim de semana, entreguei o trabalho de conclusão da segunda disciplina, Criação, Desenvolvimento e Gestão de Produtos. A ideia era que criar um produto fictício, ligado ao conceito IoT – a internet das coisas.

A minha ideia juntou um pouco do conhecimento que adquiri trabalhando com o ambiente esportivo nos últimos oito anos, a vivência pessoal com a rotina de atletas do basquete e os conceitos aprendidos nesses meses de curso: o processo de geração de ideias, o ciclo de vida do produto, análise de mercado e concorrência e estratégia de preços.

O que eu criei?!?

Uma máquina de rebote para auxiliar atletas de basquete em treinos de arremesso. Nela, o atleta pode personalizar totalmente a sua atividade. Ele pode dizer em quais pontos da quadra quer receber o lançamento e com quanto tempo de intervalo entre as bolas. Também é possível treinar on-line, competindo em tempo real com outros atletas em qualquer parte do mundo. Ou com treinos já realizados, inclusive comparar desempenho com grandes ícones do esporte. E tudo isso é facilitado por um assistente que responde aos comandos via controle de voz.

E em tempos de pandemia, em que as atividades individuais no esporte são cada vez mais incentivadas, uma máquina como essa pode virar a melhor amiga do atleta.

Gostou da ideia? Aqui em casa, ela fez bastante sucesso! O público doméstico é um cliente com potencial enorme. Quem sabe um dia vira realidade…

Voltar a estudar me deu novas perspectivas. Uma vontade enorme de exercitar a criatividade e o talento. De poder unir todo o conhecimento recente com a bagagem que trago e construir, empreender, me jogar no mundo. Como é bom arejar as ideias.